Para Mães e Pais

Qual é o problema de engrossar o leite?

1 de outubro de 2015

Sabe aquela mamadeira com um leitinho quentinho e um pouquinho (ou bastantinho) Mucilon? Eu sei! Mas o que eu não sabia era se tinha problema engrossar o leite do bebê.

Quando a Ana Júlia completou um ano, eu comecei a engrossar a mamadeira da noite porque achei que ela ficaria melhor alimentada e dormiria melhor. Apesar de dormir bem, nessa fase ela estava acordando muito cedo com fome e eu resolvi fazer o que achei que resolveria o problema.

Caminhamos assim por algum tempo, até que descobri que não, não, não, eu não devia ter feito isso. Como sempre digo aqui, a gente tem um mundo de informações ao nosso alcance e podemos – e devemos – buscar como melhorar a nossa vida e a de nossos filhos. Nessa busca, fiquei sabendo do problema de engrossar o leite e das contraindicações dos chamados engrossantes, essas farinhas industrializadas que normalmente são feitas com uma base de cereais (farinha de arroz, aveia, milho, às vezes até um mix), mas que têm também vários outros ingredientes, especialmente o açúcar.

A ideia de se engrossar o leite ou oferecer mingau desses produtos para os bebês e crianças é algo muito cultural e que remete a uma época em que o problema de saúde do Brasil era a desnutrição. “Há mais de 15 anos, era comum que profissionais sempre prescrevessem mamadeira com engrossante para os pacientes. Hoje, entretanto, o nosso problema de saúde pública é a obesidade e o sobrepeso (inclusive na infância), por isso, precisamos rever urgentemente os nossos hábitos e costumes para promover uma alimentação saudável e combater este problema”, explica a nutricionista infantil Paola Bueno Preusse, do blog Maternidade Colorida.

Mas por que isso é um hábito ruim?

Por causa do açúcar! O açúcar é o maior problema destes produtos e, se você olhar no rótulo, ele é o segundo ingrediente em maior quantidade. Veja abaixo (a lista de ingredientes sempre começa do que mais tem e segue até o que menos tem, ou seja, os primeiros têm mais, os últimos têm menos):

mucilon_arroz

Informações sobre o Mucilon de Arroz disponível no site da Nestlé

 

Informações sobre Mucilon de Milho disponíveis no site da Nestlé

Informações sobre Mucilon de Milho disponíveis no site da Nestlé

 

Informações sobre Cereais Milnutri, disponíveis no site da Danone

Informações sobre Cereais Milnutri, disponíveis no site da Danone

 

Basicamente, o açúcar é o grande vilão da alimentação e não deve ser oferecido para crianças menores de dois anos. “Por mais que o engrossante tenha vitaminas e minerais, a quantidade de açúcar é muito, muito maior. Por isso, a lado negativo é mais significativo do que os benefícios que o produto poderia trazer”, alerta Paola e enumera alguns fatos importantes:

– O açúcar é caloria vazia. Ou seja, você vai engrossar o leite energia, com algo que engorda, mas não tem benefícios nutricionais. “Não faz sentido estimular o ganho de peso em uma criança ou bebê oferecendo alimentos ricos em açúcar. Porque, por mais que a criança engorde, ela não estará necessariamente saudável”, explica.

– O açúcar é viciante. As papilas gustativas ficam viciadas, elas sempre querem o doce. Ou seja, a criança passa a desejar aquele sabor não querendo aceitar outros alimentos. “O açúcar mexe até mesmo com nossos hormônios, liberando serotonina que é o hormônio do bom-humor. Ou seja, são várias funções fisiológicas que contribuem para esse vício.”

– O açúcar dificulta o estabelecimento de uma rotina alimentar. Quando oferecemos uma mamadeira com engrossante ou mingau feito com este produto com frequência, também dificultamos a criação de uma rotina alimentar. Se a criança toma o leite engrossado cheio de açúcar logo ao acordar, muito dificilmente irá aceitar outros alimento no café da manhã, por exemplo. “Tirando casos de compulsão alimentar, a regra é que as crianças só comem quando estão com fome. E nosso organismo só tem fome quando está precisando de energia. Isso não vai acontecer se ela estiver cheia de açúcar”, comenta Paola.

Isso pode inclusive acabar virando um ciclo vicioso porque a criança não come porque está cheia (da mamadeira com engrossante ou do mingau) e, preocupada com isso, a mãe dá outra mamadeira porque a criança aceita com facilidade. Assim, ela acaba não comendo na próxima refeição e deixando a mãe preocupada, que vai engrossar o leite e dar na mamadeira…

– O açúcar prejudica a formação de hábitos alimentares saudáveis. Por causa deste “vício” e a falta de rotina, fica mais difícil formar hábitos alimentares adequados. “Eu sempre alerto que os hábitos alimentares são formados na infância e precisamos promover o que é saudável. É possível mudar mais tarde e no futuro? É, mas com muito mais dificuldade”.

– O consumo de açúcar é prejudicial para a saúde. Sim, para a saúde! Crianças que consomem açúcar têm maior risco de desenvolver diabetes, obesidade e problemas relacionados. E não é só na vida adulta. Pode ser na infância mesmo! A saúde dos nossos filhos é nossa responsabilidade.

Eu entendo se você pensa “mas só um pouquinho não faz mal”, “tadinho dele”, “um docinho para alegrar a vida”… Eu também tenho pensamentos parecidos com esses, mas isso faz parte da nossa criação e da nossa cultura. A gente -começando por mim – precisa mudar conceitos, evoluir com o conhecimento científico e sempre buscar o que é melhor para nossos filhos.

“Mas meu pediatra indicou!”. Gente, o meu também. Infelizmente, nem todo pediatra tem conhecimento científico atualizado. Além disso, ele é um médico generalista e não especialista em nutrição infantil. Também é nosso papel nos informarmos para não aceitar qualquer orientação que recebemos.

Para vocês verem que isso tudo que eu falei não é só opinião minha e da Paola:

Trecho do Guia Alimentar para Crianças menores de dois anos, do Ministério da Saúde

Trecho do Guia Alimentar para Crianças menores de dois anos, do Ministério da Saúde

 

Trecho do Manual de Alimentação sobre a alimentação para crianças abaixo de dois anos, desenvolvido pelo Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria

Trecho do Manual de Alimentação sobre a alimentação para crianças abaixo de dois anos, desenvolvido pelo Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria

 

“Ok, ok, mas meu filho tem mais de dois anos”. Para os nossos filhos maiores, engrossar o leite com a inclusão destes cereais (como mingau ou engrossante) pode ser feito, mas considerando a dieta geral. É importante lembrar que estes produtos têm açúcar e a criança já começa a consumir açúcar de outras fontes também. Então, é preciso observar as escolhas para que ela não consuma uma quantidade maior do que o indicado. A minha filha de seis anos, por exemplo, vai preferir comer um danoninho a tomar um mingau, por exemplo. Como ambos têm açúcar, devo saber escolher (e também o resto dos alimentos do dia).

Mas dá para engrossar o leite de uma forma saudável? Segundo a nutricionista, para engrossar o leite é só optar por farinhas e cereais naturais: farinha de aveia, farinha de quinua, amaranto, linhaça. “Mas o ideal é que a criança coma adequadamente e ganhe peso de maneira saudável nas outras refeições e não apenas no leite. Se a questão é mudar o gostinho do leite, você pode bater com banana e aveia e oferecer para a criança. E pode esquentar, não tem problema nenhum.”

Então, povo, tendo dito tudo isto (e lembrando que a Manuela, a mais velha, não gosta destes alimentos), Mucilon foi exonerado de suas funções aqui em casa.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Comentários

  1. Vanessa disse:

    Oii, sou uma mãe de primeira viagem..
    E são muitos os palpites das pessoas sobre a alimentação do meu filho, ele tem 4 meses e 15 dias, e desde que nasceu mama no peito e o nan comfort, o nan só dou a noite, mais faz alguns dias q não mata mais sua fome, me falaram sobre engrossar o nan com Mucilon entre outros, só que quando vi os ingredientes, percebi a quantidade de açúcar, não quis dar, agora me falaram do milnutri mais mesmo assim estou meio preocupada, só q não aguento maiz ver meu bebé com fome, o q eu faço? ?

    1. SUELEN SABRINA ALVES disse:

      Acredito que não é só por estarem com fome que os bebês choram…
      Minha bebê tem 4 meses e meio,sofri muito até os três meses achando que ela sofria de cólica, de fome…
      mas depois de muita pesquisa na Internet descobri que o que ela tinha era sono…
      Até hoje se ela não dormir na hora certa, ou seja, cerca de uma hora e meia após acordar, ela chora como se estivesse com dor,com fome… É um choro desesperador!
      Mas graças a Deus eu descobri a causa e dificilmente escuto ela chorar desesperada , só se eu perder a janela do sono , aí é inevitável!
      Pesquise sobre a importância das sonecas do bebê, leia sobre a “janela do sono”.

  2. Marisa durans disse:

    O cereal mil nutri é bom mesmo ? A minha baby ja tem 6 meses sera q posso dar

  3. Snaylla Carvalho disse:

    Fui informada q no lugar desses industrializados podemos usar 3colheres d tapioca para 1litro de água, ferve até engrossar, e então prepara o LF com essa água d tapioca. É mito ou verdade? É mais saudável?

  4. Sandra mayer disse:

    Sou mãe de 1ª viagem também e a pediatra do meu filho recomendou farinha láctea na última mamada do dia, antes de dormir. Fiquei resistente e vim procurar informações. Adorei o post e penso igual, tentamos manter uma alimentação mais saudável em casa e quero que meu filho seja igual. Sem contar que ele sempre ganhou peso muito bem. Obrigada por compartilhar essas informações adorei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + catorze =

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Me segue no snap!

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 8 anos, e Ana Júlia, 2 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados