Para Mães e Pais

A maternidade e o suco derramado

18 de dezembro de 2019

Sábado. Café da tarde. Manuela vira o copo suco de uva na mesa. Respiro fundo, ela pega um pano, o pai ajuda a limpar o pouco que caiu no chão, agradecemos a toalha impermeável que escolhemos para a refeição.

Domingo. Hora do almoço. Ana Júlia vira o copo de suco. Encharca o jogo americano, o assento de tecido da cadeira, cai na roupa da irmã, faz uma poça no chão. Ana Júlia olha assustada. A mãe, em vez de acalmar, piora a situação. A mãe está com sono, a mãe está com pressa, a mãe tem um monte de coisa para fazer. A mãe surta limpando a bagunça. Depois a mãe precisa consertar as coisas.

É claro que é chato derrubar suco. É mais ainda sujar o tecido claro da cadeira. É muito chato perder tempo para limpar a bagunça que a criança fez porque não prestou atenção no que estava fazendo.

Porém, mais chato ainda é a mãe deixar que a sujeira, a pressa, o sono, a raiva controlem sua reação. Pior, é mostrar – sem querer – para os filhos que tudo bem explodir por causa de um suco derramado, por causa de uma cadeira estragada ou por causa de uma noite maldormida.

Já falei uma vez e repito: é nos momentos de dificuldade e pressão que ensinamos a viver, que mostramos aos nossos filhos quais são as melhores reações e demonstramos atitudes que serão imitadas.

Não é porque aconteceu aqui em casa – e que acontece na casa de muita gente – que é comum ou deve ser naturalizado. Não. A criança precisa fazer aprender a ter cuidado? Claro! Mas não precisa morrer de medo porque cometeu um acidente. Uma pergunta: você explodiria e brigaria com uma visita que derrubasse um copo de suco na mesa?

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 5 =

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Amo escrever, amo meu marido, amo minhas três filhas e, acima de tudo, amo Jesus. Moramos na Pensilvânia, nos EUA, e, sempre que consigo, gosto de falar sobre minhas experiências, aprendizados e desafios seja na maternidade, na vida cristã ou como imigrante.

Saiba mais

Maternidade Simples 2015 - 2024 - Todos os direitos reservados