Para Mães e Pais como começar a introdução alimentar

Como começar a introdução alimentar?

4 de setembro de 2017

A introdução alimentar é uma fase muito especial para a criança e também para os pais. É hora de descobertas, de evolução e de buscar mais saúde. Para que essa fase seja proveitosa e divertida, é muito importante que pais estejam à vontade e confiantes. Buscar informação vai fazer de você, pai e mãe, uma pessoa mais confiante para criar rotinas, seguir técnicas e estabelecer suas próprias regras.

Mais do que isso, conhecer mais sobre nutrição infantil irá garantir que você ajude seu filho, desde cedo, a formar bons hábitos alimentares, que irão garantir sua saúde na infância e também na vida adulta. Pois é, tudo começa agora! Já nas primeiras papinhas doces e salgadas. Por isso, pedi para a nutricionista Paola Bueno Preusse, do site Maternidade Colorida, nos dar dicas e orientações para essa fase tão importante.

Quando começar a introdução alimentar?

Os alimentos sólidos deve ser introduzidos a partir dos seis meses de idade. Independentemente de a criança se alimentar de leite materno ou fórmula infantil, não se deve começar a introdução alimentar antes dessa idade porque o aparelho digestivo da criança ainda não está preparado. Existe muito especialista que indica a IA antes devido à entrada na escola ou porque a criança “já toma fórmula mesmo”. Mas os profissionais atualizados contestam essa indicação!

Como começar?

A sugestão que se inicie incluindo frutas e, posteriormente, se incluam papas salgadas na rotina. Se você quiser realizar o método BLW é só trocar as papas pelo alimento em pedaços (você  pode ler mais sobre BLW aqui).

A Paola deu uma sugestão prática e bem bacana:

1ª semana
Leite materno em livre demanda
+ fruta uma vez por dia.

2ª semana
Leite materno em livre demanda
+ fruta uma vez por dia + papa salgada (papa principal) no almoço

3ª semana
Leite materno em livre demanda
+ fruta de manhã e à tarde
+ papa salgada (papa principal) no almoço e no jantar

Como oferecer as frutas?

As frutas podem ser oferecidas raspadas ou amassadas (nunca batidas ou passadas na peneira). Você pode oferecer pedaços para o bebê comer com a mão.

Lembre-se de não adicionar açúcar às frutas. Esse é o momento de a criança conhecer os sabores naturais dos alimentos. Não é porque VOCÊ não gosta de determinada fruta natural que a criança não irá gostar também. Ela não tem referências de doce ou azedo. Deixe-a experimentar e desenvolver o seu próprio paladar.

Papinha salgada

A papa principal – que será inicialmente oferecida no almoço e depois irá também para a janta – deve conter nutrientes importantes para a criança. São eles:

Carboidratos: São os nutrientes responsáveis pela energia. Podem ser grãos (arroz, milho, quinoa) ou raízes (batata, mandioca, inhame).

Legumes: Oferecem uma variedade de vitaminas e minerais. Entre eles: Cenoura, beterraba, abobrinha, quiabo, brócolis, couve-flor.

Verduras: Também oferecem vitaminas e minerais. Entre eles: alface, almeirão, mostarda, espinafre, escarola, agrião, rúcula.

Carne ou ovo: Proteínas de origem animal. Você pode usar carne bovina, frango, ovo, peixe.

Leguminosas: Proteínas de origem vegetal. Pode ser usado: feijão, lentilha, grão-de-bico, ervilha, vagem.

Quanto devo oferecer?

Faça porcões pequenas e não se desespere. O bebê vai definindo a quantidade de comida que precisa. Ele ainda está descobrindo o maravilhoso mundo da alimentação.

Pode congelar?

Sim. Depois de pronta, congele a papinha ainda quente em potes de vidro. Tem umas dicas super bacanas sobre como congelar alimentos aqui.

Para descongelar, retire do freezer no dia anterior e deixe na geladeira. Na hora de servir, esquente de preferência no fogão, em banho-maria. Se não for possível, use o micro-ondas.

A nutricionista sugere que, depois de descongelado e aquecido, você acrescente um fio de azeite na papinha. Dá um sabor maravilhoso e a resgatar a consistência original.

Meu filho faz careta…

É comum!! A criança faz careta, cospe, rejeita alguns alimentos. Ela está experimentando novos sabores e texturas e isso não significa que ela não gosta da comida! Ofereça em diferentes momentos e em outras receitas. É preciso que a criança experimente pelo menos 20 vezes um alimento para afirmar que não gosta.

Ingredientes da papinha

Confira essa tabela super bacana para ajudar na hora de escolher ingredientes.

 

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × quatro =

Comentários do Facebook

PUBLICIDADE

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 8 anos, e Ana Júlia, 3 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados