Para Mães e Pais filtro solar nas crianças depois da praia

Filtro solar é todo dia

29 de setembro de 2016

Recebi um press kit da marca Sundown hoje a respeito de um novo produto voltado para ser usado diariamente e serviu para me lembrar o quão relapsa ainda sou com isso em relação às meninas. Eu passo filtro solar todo dia em mim, mas ainda esqueço de passar nas crianças. A grande verdade é que nós, de maneira geral, esquecemos que o sol da cidade é o mesmo sol da praia, então oferece os mesmos riscos para a saúde.  As crianças saem no pátio da escola e pegam sol em outros momentos do dia e nós precisa cuidar delas.

Um dos motivos é que os efeitos do sol na pele são cumulativos. Ou seja, todos os danos que são causados pela exposição solar sem proteção vão se acumulando – desde a infância – e podem, no futuro, se manifestar em forma de uma doença de pele ou até mesmo um câncer.

Precisamos cuidar dos nossos filhos e filtro solar é na praia, é no final da semana para ir para a pracinha, mas também é todos os dias! Essa informação acima é da dermatologista Annia Cordeiro, da Clínica da Pele Annia Cordeiro, de Curitiba. Ela explica que os raios solares estimulam a produção de uma enzima que destruidoras do colágeno – o que acelera o processo de envelhecimento – e leva à mutação do DNA – o que pode causar o câncer de pele.

O material da Sundown trouxe ainda alguns outros dados que acho que valem muito a pena compartilhar com vocês:

Crianças ficam expostas ao sol até três vezes mais do que adultos.

De 50% a 80% dos danos cumulativos da exposição ao sol sem proteção acontecem antes dos 18 anos.

A incidência de câncer de pele do tipo não melanoma pode ser reduzida em até 85% com o uso regular do filtro solar nos primeiros 18 anos de vida.

45% dos educadores levam seus alunos a áreas com exposição ao sol e 29% nunca estimulam o uso do filtro solar.

A dermatologista Annia Cordeiro fez uma lista sobre alguns cuidados quando o tema é proteção solar:

Aplicar e reaplicar

O filtro deve ser utilizado, no mínimo, 15 minutos antes da exposição solar, pois o produto precisa de um tempo para ter aderência adequada na pele. E deve ser reaplicado a cada duas horas e também após banho de mar, suor excessivo ou atrito, mesmo que o protetor diga que não sai na água.

De olho no FPS

FPS significa fator de proteção solar e indica a quantidade de tempo que você pode expor-se ao sol sem queimar se comparado à exposição sem proteção alguma. Um FPS 15, por exemplo, permite que você fique 15 vezes mais tempo no sol sem se queimar.

Para exposição solar intensa, na praia, por exemplo, as pessoas de pele mais morena devem usar um protetor de FPS 30 e as de pele mais branca um FPS 60.  “A partir desse número – há disponíveis produtos com FPS até 100 –, a escolha deve ser quando há indicação de um especialista, pois geralmente são mais caros e não oferecem benefícios maiores para determinado paciente.”

Muito mais que o FPS

Além de levar em consideração o FPS, é importante escolher produtos que indiquem a proteção contra UVB e UVA. “O UVA é o tipo de raio solar mais prejudicial quando o assunto é tratamento e prevenção de rugas e manchas. É ele também um dos responsáveis pela formação de melanoma (câncer).”

Proteção das crianças

Os bebês com menos de seis meses não podem usar nenhum tipo de protetor solar, pois sua pele ainda absorve facilmente as substâncias. “Portanto, praia não é lugar de bebê pequeno e, ao sair no sol, ele deve estar sempre protegido com chapéus, roupas leves e também peças que contêm proteção solar no tecido.”

Entre os seis meses e dois anos, os pais devem optar por protetores infantis, com FPS mínimo de 50 e não podem abrir mão do chapéu e roupas. A partir dos dois anos, a criança pode usar o mesmo protetor dos pais, contanto que seja com um alto fator de proteção.

Fuja do bronzeado

Se a pele ficar mais escura, isso significa que o protetor solar não protegeu efetivamente. Ou seja, se bronzeou, a pele queimou. “Os bronzeadores ou produtos com FPS inferior a 15 são contra-indicados.”

Sem economia

Quanto mais protetor, mais proteção. A camada deve ser grossa e uniforme e nenhuma parte do corpo deve ser esquecida. Muita gente sofre com queimaduras na orelha e dedos do pé, por exemplo.

Proteção para cabelos e lábios

Para proteger os cabelos, existem cremes com proteção solar, mas eles não são muito eficientes. Deve-se preferir o uso de chapéus e bonés, de preferência com tecidos especiais com proteção solar. Para os lábios, há batons com proteção e filtros em bastão. “Lembre-se que, desprotegidos, os lábios podem sofrer no verão tanto quanto no inverno.”

Guarda-sol de verdade

Infelizmente, o guarda-sol de nylon não protege. É preciso que seja feito de tecido escuro, lona ou ainda de tecidos especiais que já têm proteção contra UVA.

Protetor solar é cuidado diário

“Não saia de casa sem protetor solar, mesmo no inverno ou em dias nublados”. Diariamente, deve ser usado um filtro solar FPS 15. Isso protege a pele, mantendo-a mais jovem, bonita e prevenindo manchas e câncer. Na praia, piscina ou práticas esportivas, o ideal é usar um filtro com FPS a partir de 30.

filtro solar nas crianças

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 9 anos, e Ana Júlia, 4 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados