Para Mães e Pais meu bebê bateu. bebê bate no rosto o que fazer?

Meu bebê bate no meu rosto: o que fazer?

3 de dezembro de 2015

Como agir quando o bebê bate no rosto da mãe ou de outra pessoa? Aqui em casa, Ana Júlia passou por isso em duas fases distintas, que precisaram de intervenções diferentes também:

Dos oito meses (ou próximo a essa idade): Bebê bate no rosto?

Quando a Ana Júlia tinha cerca de 8 meses, ela começou a bater no nosso rosto. E claramente ela fazia como uma brincadeira, não entendia o que isso significava ou que podia machucar.

Nessa época, eu segurava a mão dela e dizia “não” firmemente. Mas eu também buscava substituir o comportamento ruim pelo comportamento bom. Então, ao segurar a mão dela, eu passava no meu rosto e dizia: “bater, não. Carinho sim”. Isso foi importante  para ela associar o bater como negativo e o carinho como positivo.

Essa atitude foi fundamental aqui em casa por conta da Manuela, a irmã mais velha. Graças a Deus, ela não revidava quando a Ana batia nela. Então, ela também aprendeu a falar: “bater, não. Carinho”. Assim, ela se defendia, evitava o conflito e entendia que a irmã não fazia por mal e, sim, porque ainda não sabia que isso era ruim.

Não foi imediato, mas em algumas semanas, conseguimos sumir com esse comportamento.

Depois de um ano e alguns meses

Com pouco mais de um ano, Ana Júlia começou a ter algumas reações bem negativas diante da frustração – algo completamente normal para as crianças, que ainda não sabem lidar com esse sentimento. (Lembra dos posts sobre Como lidar com a birra e sobre o Terrible two)

Uma dessas reações é a de bater. Quando a gente diz “não”, há vezes em que ela vem para nos bater, extremamente brava e frustrada, e não apenas no rosto. Ou seja, sim, o bebê bate também como uma forma de agressão.

Nesse caso, o começo do processo é o mesmo: segurar a mão e dizer “não pode bater” bem firme. Só que nessa hora, pedir para fazer carinho será inútil diante da frustração da criança.

Se ela insiste em bater, eu a sento em algum lugar e digo que aquele comportamento não é aceitável e fico a certa distância. Geralmente, ela para de bater e eu consigo acalmá-la sem me afastar.

Agora, nessa idade, se ela bate sem a crise completa de birra, ou seja, se é possível estabelecer uma comunicação com ela quando acontece o tapa, eu falo que doeu.

Coloco a mão, digo “ai, dodói”, forço um chorinho… Enfim, nessa idade, a criança já tem mais empatia e sabe o que é dor. Isso também ajuda a que ela perceba a consequência do seu ato em quem ela ama.

Isso tem funcionado por aqui. Agora é muito raro a Ana bater. Realmente, tem acontecido apenas nesses momentos de frustração extrema, mas ainda perder para o se jogar no chão e bater os pés.

Expressão facial e tom de voz como ferramentas educativas

Se você é uma mãe que expressa alegria no dia a dia, o seu filho vai conseguir perceber na sua expressão facial e no seu tom de voz quando você está desapontada.

Então, use e abuse do tom de voz mais firme e da expressão mais séria nesse quando o bebê bate.

 

Opinião profissional: psicopedagoga fala sobre o bebê que bate

Pedi para a psicopedagoga Cassiana Tardivo falar um pouco sobre esse tema e fiquei feliz em saber que estou agindo certo. Dá uma olhada:

“Ainda cedo o bebê bate no rosto da mamãe ou outras pessoas. Nesse início não tem uma intenção clara de agressão. No entanto, conforme o tempo vai passando, ele passa a agir desta forma quando quer afastar o adulto ou ‘reclamar’ de algo que está descontente.

Embora seja, o bebê bate como uma manifestação natural, os adultos vão ensinar a criança que essa linguagem física para manisfestar seu descontentamento não pode ser usada. 

Da mesma forma que, mais para frente, a criança também irá aprender que morder, empurrar, bater, puxar cabelo não são comportamentos socialmente aceitáveis.

É natural o bebê se manisfestar dessa forma porque a linguagem oral ainda não é tão significativa, não conseguindo se expressar para dizer: pare, não faça isso, não gosto daquilo…

Então o jeito certo de ensinar a criança é contê-la fisicamente. Ou seja, segure a mão, o braço e diga de forma clara e firme: Não! Faça também uma expressão facial firme, pois não adianta falar “não” e rir porque achou engraçado. Este tipo de reação confunde a criança e, como a linguagem oral faz menos sentido que a física, ela irá entender que tudo é brincadeira.

Faça isso todas as vezes que o tapa ou a ‘agressão física’ acontecer. Isso significa que fará muitas vezes, mas é assim mesmo, não pense que não está dando certo. Está sim, mas a passagem da linguagem física para oral demora, é um processo lento e nesse processo todo a criança precisa ser ensinada.

Com o tempo, quando começar a falar, ensine-a a dizer quando não gosta de algo para que ela aprenda a manifestar suas opiniões por meio da linguagem e assim ela vai aprendendo novamente por meio de novas palavras a dizer o que sente ao invés de agredir.”

bebê bate no rosto

 

 

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Comentários

  1. Kelly disse:

    POIS AXEI MUITO INTERESSANTE-MEU FILHO-ESTA NESSA FASE E N SQBIA-REAGIR Q FICAVA AO PONTO DE EXPLODIR MAIS AXEI…E VAI ME AJUDA MUITO OBRIGADO BJ

    1. Melina disse:

      Aqui em casa passou completamente!! :)

  2. Jaqueline disse:

    Minha filha começou a bater no meu rosto e eu também usei esta tática de segurar a mãozinha, dizer que faz dodói e logo depois passo novamente fazendo carinho, depois disso ela olhava para mim e batia de novo, mas desta vez dava para notar que ela estava tentando fazer o carinho (rsrsr), novamente eu ensinava a fazer carinho corretamente. Agora ela já parou de bater, mas ainda não sabe fazer carinho, kkkk. Enfim tudo é um aprendizado e cabe a nós controlarmos nossas emoções e a dos pequenos também. Abraço!.

  3. Franciella disse:

    Olá, Boa noite! Estou uma fase com meu bebê de 1ano 8meses muito estressante, ele faz birra se joga no chão e gosta de me bater no rosto ou então pega qualquer coisa e vem p cima para me bater ; muito desobediente. Isso faz com q nois mãe ficamos bravas, eu repreendo ele pego a mão dele e falo q não pode e bato mas ele continua e eu bato até ele parar na mão. Estou fazendo o correto ? Preciso de ajuda as vezes acho q não estou sabendo educar meu filho. Ele é muito teimoso não obedece e bravo..

    1. Aline disse:

      Acredito q vc repreender fazendo o msm q ele faz (batendo) não vai adiantar, Ele vai ficar confuso e continuar fazendo; diga q não q não pode bem firme e com a feição seria…

  4. jaqueline disse:

    Nossa Franciela eu estou me sentindo hoje como vc na sua epoca me indentifiquei muito agora mesmo estou aqui nos nervos. Já chorei 3x estou na minha segunda maternidade onde na primeira não passei por isso então pra mim mesmo não sendo mae de primeira viagem estou me sentindo perdida as vezes perco a cabeça e dou uns tapas na minha a fim de mostrar a ela que ela não pode fazer isso que doi que é errado. mas fico tão triste por dentro agindo assim…vou tentar outros métodos que não seja iguais aos dela é como a colega aí falou vou cançar a guela falando que Não pode é fazer uma cara bem feia pra ver se aos poucos tenho resultado pq já pensei até em marcar um pisicolo pra ela e pra me ajudar nessa fase tão difícil das birras dela.? Boa sorte meninas!

  5. Paula disse:

    Olá minha filha com 21 meses anda muito agressiva..
    Desde que começou começou gatinhar que com qualquer coisa bate com com cabeça em qualquer lado
    Andamos em médicos para resolvermos isso mas entretanto começou a bater em mim e em toda a gente..nao consigo sair para lado nenhum com ela por causa das birras e agressões porque me sinto envergonhada com o que as pessoas possam dizer..

  6. Viviane encrenazi disse:

    Meu filho de 1 ano e 6meses está nessa fase de bater quando é contrariado. Vou tentar essa técnica de segurar a mãozinha e dizer que “Não “. Depois cobto se resolveu…. Mto obg pela ajuda!!!!

  7. Samyla Costa disse:

    Minha BB de 11 meses está batendo e mordendo, tanto quando vai mamar ou nas pequenas birras do dia. Hj pela primeira VZ dei um tapa forte na mão dela, mas percebi q ela não sabe o q se passa de fato. E logo corri pra net pra buscar estratégias, Pq bater dói é em nós. Já fiz isso várias vzs, de dizer não bem firme e segurar a mão e ensinar fazer carinho, mas achava q não estava funcionando. Mas vou continuar, Pq percebi q é questão de tempo, paciência pra ela entender. Depois volto pra dar resposta.

  8. Salathiel Lima Dos Santos disse:

    Sou pai de três meninas do primeiro casamento e nunca tive esse problema com nenhuma delas , porém estou em outro relacionamento e tenho o Enzo Gabriel de 1 ano e 5 meses e já não sei o que fazer , nunca dei nem um tapinha nas minhas filhas porém nele já dei . de leve e isso me deixou muito mal , pois ele bate em qualquer pessoa , mesmo quando tem ou consegue o que quer , joga as coisas , chuta e é muito bruto , dia desse bateu tão forte no vidro da porta que o vidro quebrou sobre ele , foi Deus que o guardou e fez apenas um arranhão na testa , mesmo sendo homem me preocupo com tudo que diz respeito ao meu filho , eu e a mãe já não sabemos como agir ….. Estou muito preocupado ?

  9. Joelma arruda da silva disse:

    Quando eu falo para meu filho que fez dodói ele ri não entendo
    To bastante confusa, no pai ele não bate só em mim e na irmã mais velha…

  10. Meu filho com menos de 9 meses começou a bater no meu rosto. Fiz igual a você. Ele melhorou. Hoje sem menos esperar ele bateu no rosto do meu marido, pai dele. Ele já está com 1 ano e 4 meses. Vou seguir sua dica. Meu ig é @casaefogao

  11. cintia disse:

    Tenho 2 filhos. Uma de 8 anos e um de 11 meses.
    A minha mais velha tem TDA, e do tipo desatenta , não sei se devido à isso, era mais tranquila..
    O meu mais novo é bem agitado, ele não para, desde os 10 meses percebi esse comportamento nele, nós lhe damos mt carinho, e ele insiste em nos bater no rosto.
    Na primeira vez tomei um susto, e chamei a atenção dele. Toda vez que ´´e contrariado ele faz isso, se joga para atrás e continua tentando bater… fez isso com a miinha mãe , morri de vergonha… e olha que eu dou carinho, mas chamo a atenção quando necessário… Minha mãe fez logo comparações entre os dois, pq apesar da dificuldade da minha mais velha , ela nunca fez isso… isso me deixou triste mas não falei nada…

  12. Peço a Juda!. O meu BB de 1ano e dois meses bate-me no rosto, gosta de jogar bola, fica muito estressado, quando recebem algo que ele está a gosta… Como posso corrigir estás atitudes más?.

  13. Isabel disse:

    Cuido do meu neto de 2 anos e 10 meses(os pais dele trabalham) faz 1 mês que está muito agressivo (tapas, chutes, mordidas ,etc)
    No começo eu saia de perto mas percebi que ele vem atrás pra continuar a atitude. Agora eu seguro as mãos dele com força e tento me proteger(pois machuca e dói) e digo pra ele que isso dói,ensino ele a respirar pra se acalmar .É muito difícil a situação pois tive dois filhos (um deles é o pai dele)Eles nunca tiveram essas atitudes comigo e com o pai deles. Será que tem a ver com a época?as crianças de 30 anos atrás eram mais tranquilas?ou nem todas tem essas fases?

  14. POLY disse:

    Minha bebê de 15 meses começou a bater, mas parece que é pra testar nossa reação, pq ela bate e olha fixo pra gente com um sorriso esperando no que vai dar, falamos não e aí ela repete e repete e repete. Ainda não faz quando é contrariada, mas meu medo é de passar a bater tb quando estiver brava. E percebi que tb está tentando aprender a morder. Puxa vida, somos tão carinhos, damos muitos beijos e abraços, mas isso ela não aprende. Mas os tapas e mordidas que nunca demos ela faz. Me sinto péssima, nem deixo ela com outras crianças com medo que ela bata. Ser mãe é ainda muito mais difícil do que eu imaginava.

  15. Marcos disse:

    Meu filho de 1 ano está com esse mesmo problema de bater quando é contrariado, principalmente na avó e na mãe, desde os 9 meses e faz isso. Aprendeu a puxar cabelo e bater, sempre damos bronca e seguramos o braço, agora ele faz de birra, bate e quando fala que não pode ele bate e olha desafiando. Mas quando eu falo com tom de voz firme e mais alto, sem gritar, ele para e muitas vezes faz carinho e tenta disfarçar. Esses dias estava beliscando a Avó e quando eu olhava ele disfarçava. Eu queria que ele parasse de bater por saber que é errado e não apenas quando estiver na minha presença ou da minha esposa. Como fazer com que ele faça essa associação?

  16. Rita disse:

    Esse método NÃO FUNCIONA

  17. Fabiana disse:

    Acho q a fase dos dentes deixam eles muito irritados. O meu está com 1 ano e da tapa, já virei a mãozinha dele e bati com sua própria mão, ele chorou e me bateu novamente.

  18. Regiane disse:

    Meu bebe de 1 ano e 7 meses esta batendo em todos aqui em casa, eu falo firme com ele que nao pode mas ele continua eu fico nervosa, fico muito triste com isso nos damos tanto carinho, e ele so q bater.

  19. Anonimo disse:

    Meu neto TB estar nessa fase…1 ano e 5 meses ,bate no rosto da gente ,nas crianças,faz birra,se joga no chão,bate com a cabeça .
    Meu primeiro neto homem.meu esposo já falou se ele bater no rosto dele,ele vai bater na mão dele…tá complicado
    Meu filho que e o pai briga com ele fala alto não pode…ele faz de novo,aí ele bate na mão falando que não pode.mas minha nora fica logo chateada pq bateu e fala q ele não entende…Mas ela TB briga e fala que não pode…as vezes dá um tapinha…..
    Mas e a gente que somos avós?
    Vai bater? Os pais não vão gostar…então tá complicado essa fase?

  20. Samara disse:

    Acredito muito por sermos animais racionais, nessa fazer de construção racional, as crianças tende achar um alpha, respeita sempre uma pessoa da família, aqui em casa os meus tem um temor maior pelo pai, essa referência tem que ser bem planejada, por ser mãe é amar sempre meus meninos sempre procurei educar e respeitar, e entender que meu marido, claro não tirando minha autoridade é a maior referência pros meus meninos, tento sempre procurar, pesquisar qual melhor maneira de lidar e sempre passo pro meu marido, o resultado está sendo mais rápido, eu sempre por trás fortalecendo sem quebrar a corrente. É muito importante que os dois responsáveis tenham a mesmas atitudes para que não se torne pesado para os adultos é confuso pra criança.

  21. Marcia disse:

    O meu bebê tem dez meses e bate forte no meu rosto e eu usei a tática de usar a mesma forma e ele para e não chora ontem ele chorou e deitou a cabecinha no meu ombro como se diz daí também me mamãe mas parou hoje ele começou a reinar fechar as mãos apertar os dentes e fazer gemidos e eu vou usar a tática de da calmantes leves infantis para ele chá de camomila suco de maracujá porque faz parte de um nervoso neuro que foi causado por médicos que furaram a cabecinha dele quando ele nasceu e ficou na UTI isso não é normal geralmente criança é meiga e carinhosa

  22. Viviane Taís Reis disse:

    Estou passando por uma fase bem difícil e triste ao mesmo tempo. Meu filho tem 1 ano e 10 meses. Ele é muito carinhoso e inteligente. Entende tudo o que eu falo para ele. Mas ele está bem agressivo, ele bate em mim, no meu esposo e em outras crianças quando é contrariado. Eu sempre bati de volta, pois fico nervosa e sem paciência, mas atualmente n estou mais batendo pq percebi q ele só está piorando, estou conversando e colocando na cadeirinha do pensamento. Hj eu conversei e ele obedeceu, graças a Deus. Eu espero que todas as mães que estão passando por isso tenha paciência e busque em Deus sabedoria, pq eu sei muito bem q n é fácil. Não tem sido fácil! O pior de tudo é que as pessoas de fora acham e falam que a culpa é da mãe, isso me deixa muito triste, mas agora n vou mais me preocupar com o que os outros falam pq n existe filho perfeito, o meu n é e o seu tbm não. Então façam o que vcs acham que é certo e busquem outras experiências e saída para isso, mas nunca achem q vcs são péssimas mães.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − treze =

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem Sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Amo escrever, amo meu marido, amo minhas três filhas e, acima de tudo, amo Jesus. Moramos na Pensilvânia, nos EUA, e, sempre que consigo, gosto de falar sobre minhas experiências, aprendizados e desafios seja na maternidade, na vida cristã ou como imigrante.

Saiba mais

Maternidade Simples 2015 - 2024 - Todos os direitos reservados