Durante a Gravidez cerclagem

A cerclagem: check!

14 de novembro de 2013

Como já contei aqui no blog, na gravidez da Manuela descobri que tinha um problema no útero, incompetência istmo cervical, que exigiu que eu fizesse uma cirurgia de emergência e ficasse de repouso absoluto a partir da 25ª semana de gestação. A Manuela acabou nascendo de 33 semanas e eu fui avisada que numa futura gravidez eu precisaria repetir essa cirurgia – mas desta vez no tempo certo, entre 13 e 18 semanas.

Então, fizemos na semana passada a cerclagem. O procedimento é indicado para situações específicas em que o cólo do útero pode não “aguentar” a gestação inteira e abrir antes do tempo. O meu estava ok, mas devido a meu histórico, o médico achou melhor fazermos.

A anestesia é raquidiana (cintura para baixo) e o procedimento é feito sem corte, via vaginal mesmo. O médico literalmente costura o cólo do útero para mantê-lo fechado.

Eu ODEIO anestesia – tanto tomá-la quanto o período de recuperação após a cirurgia – então, por isso, o procedimento foi ruim. Além disso, o anestesista não quis me dar sedação, então fiquei acordada o tempo todo.

Tirando isso, foi tudo tranquilo – e super rápido -, como deveria ser. O médico me deixou três dias no hospital (da outra vez eu saí no dia seguinte) e me pediu 15 dias de repouso. Mas nada de desespero como foi da outra vez. Posso caminhar com moderação, ficar sentada e, em caso de necessidade, até dirigir um pouquinho. Depois, a previsão é que ele me libere geral, inclusive para minha hidroginástica.

Para quem tem dúvidas sobre o parto após a cerclagem: não, você não é obrigada a fazer cesárea. Se você quiser fazer parto normal – ou aguardar os primeiros sinais do parto (contrações ou bolsa romper) para fazer a cesárea -, o médico irá retirar os pontos da cerclagem ao completarem as 37 semanas de gestação para então aguardar como a gravidez irá evoluir. Se você for fazer cesárea, daí é melhor aguardar para retirar os pontos junto com o parto.

Outros detalhes sobre a cerclagem:

– Nos primeiros dias após a cerclagem é comum haver pequenos sangramentos (atenção, pequenos!). Depois disso, deve-se ficar atenta se eles persistirem.

– A cólica também é comum no início, afinal, eles mexeram no seu útero. Mas também não pode ser permanente.

– O médico me indicou (como na outra vez) medicação hormonal com o objetivo de evitar a contração uterina e o trabalho de parto prematuro.

– Infelizmente, nesses 15 dias o médico proibiu as relações sexuais. Triste, mas verdade, porque o orgasmo estimula a contração uterina.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Comentários

  1. Maria luiza disse:

    na sua segunda gravidez vc ficou de repouso absoluto no s últimos meses?

    1. Melina disse:

      Na segunda gravidez, fiz repouso só nos primeiros 15 dias após a cerclagem. Depois, vida normal até o final.
      Bolsa rompeu e o trabalho de parto começou com 38 semanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 9 anos, e Ana Júlia, 4 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados