Durante a Gravidez incompetência istmo cervical e cerclagem

Incompetência istmo cervical: minha experiência e palavra do especialista

11 de maio de 2017

Já contei aqui no blog que tenho incompetência istmo cervical. Na primeira gestação, fiz uma cerclagem tardia, com 20 semanas, e a Manuela nasceu de 33 semanas de idade gestacional muito bem, graças a Deus. Na segunda gestação, fiz a cerclagem no “tempo certo”, com 13 semanas, e levei a gravidez até às 38 semanas.

No vídeo, resumo um pouco da minha experiência após a segunda gravidez. E lá embaixo tem um vídeo sobre a terceira cerclagem! Trago um texto do obstetra Bruno Jacob sobre o assunto.

Incompetência istmo cervical e cerclagem

Minha experiência na terceira cerclagem

Este é um texto de autoria do ginecologista e obstetra Bruno Jacob. Você também pode acompanhar outras informações muito bacanas que ele publica no Instagram e no Facebook.

Você fica grávida a primeira vez, e seu nenê nasce prematuro. Na segunda gravidez o seu outro filho nasce ainda mais cedo. Já na 3a você tem um aborto espontâneo. Afinal, o que é isso? Não estou conseguindo segurar meus bebês na barriga por muito tempo?

Hoje o assunto é incompetência istmo cervical.

Apesar de estranho, o próprio nome explica toda a doença. Trata-se de um colo uterino incompetente, ou seja, ele não faz direito o seu trabalho que é manter a gestação até o tempo de 38 semanas de idade gestacional. Logo a paciente terá dilatação, e consequentemente, o parto antes da hora. E quanto mais partos ela tiver, mais incompetente será esse útero, e os próximos partos serão cada vez mais prematuros.

Já em uma gravidez normal, o colo permanece firme, comprido e fechado até o momento certo do nascimento.

Ah, então é como o trabalho de parto prematuro?

Na verdade não! O trabalho de parto prematuro é por definição entrar em trabalho de parto antes da hora, e isso significa ter contrações uterinas que dilatem o colo. Na incompetência istmo cervical não há contrações, o colo dilata porque ele é mais “fraquinho” mesmo.

E como saber se eu tenho incompetência istmo cervical?

Na verdade o diagnóstico de prevenção é muito difícil de ser feito. Na maioria das vezes o profissional só faz o diagnóstico quando a paciente apresenta vários partos prematuros, sendo cada um mais prematuro que outro. Assim o médico pode tomar as devidas precauções para as gestações futuras.

O ultrassom pode ajudar, ele consegue medir o comprimento do colo para saber se ele possui um tamanho adequado. A maioria dos especialistas considera que o colo é curto quando mede, na época do ultrassom morfológico, menos de 2,5 cm.

Uma vez feito o diagnóstico o acompanhamento deve ser rigoroso e de preferência com um bom obstetra, para estar atento a qualquer sinal de alarme.

É verdade que é possível costurar o colo do útero?

Sim! Pode parecer estranho mas é verdade. Isso chama-se cerclagem, e existe uma técnica complexa para realizá-la. É feita no centro cirúrgico e por um médico experiente pois existe um sério risco de romper a bolsa durante esse procedimento. Além disso o repouso deve ser absoluto, ou seja, nada de sair da cama caso o médico indique como necessário.

Existe algo que cause isso doutor?

Sim.
– Se você já sofreu um aborto espontâneo no segundo trimestre, ou teve um parto prematuro sem causa aparente.
– Se você já se submeteu a um procedimento para retirada de lesões pré-cancerosas no colo do útero, como a conização ou biópsia em cone.
– Se você teve alguma lesão no colo do útero num parto anterior ou numa curetagem, ou fez aborto.
– Se você tem um colo do útero anormalmente curto.

Caso tenha dúvidas procure seu médico.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + seis =

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Amo escrever, amo meu marido, amo minhas três filhas e, acima de tudo, amo Jesus. Moramos na Pensilvânia, nos EUA, e, sempre que consigo, gosto de falar sobre minhas experiências, aprendizados e desafios seja na maternidade, na vida cristã ou como imigrante.

Saiba mais

Maternidade Simples 2015 - 2024 - Todos os direitos reservados