Para Mães e Pais como falar de sexualidade com as crianças

Como falar de sexualidade com as crianças?

3 de dezembro de 2019

Como falar de sexualidade com as crianças? Essa é uma das perguntas que mais recebo nas redes sociais. O assunto, obviamente, é muito controverso. Mas posso contar como eu fiz aqui em casa, com a minha filha mais velha.

Quando falar de sexualidade com as crianças?

Essa é uma das primeiras questões a avaliar: quando falar sobre sexo com seus filhos? Na minha opinião, a idade ideal é por volta dos 9 anos, quando eles aprenderão sobre o tema (sistema reprodutor e sexualidade humana) na escola. Normalmente é no 5º ano.

Então, eu avalio importante que os pais falem sobre o tema antes dessas aulas chegarem. Mas pode ser que a pergunta chegue antes. Vamos falar sobre os dois casos.

Como falar de sexualidade com as crianças?

Se você está introduzindo o assunto (a criança nunca perguntou) lá por volta dos 9 anos, vale a pena começar com: “esse ano você vai aprender sobre o sistema reprodutor na escola. Você sabe como os seres humanos se reproduzem?”

Deixe a criança falar o que ela sabe. Se ela já tiver alguma coisa sobre o tema que precise ser corrigida, faça com amor.

Depois explique que homem e mulher se reproduzem através da relação sexual – também chamada de sexo – quando o homem utiliza o pênis para inserir o sêmen na vagina da mulher. Lá dentro, sêmen e óvulo vão se juntar e vão para o útero. Então, o ovo se gruda lá e o bebê vai crescendo até nascer.

Não tenha medo de falar sobre o assunto. E passe sem fazer muito alarde e não foque apenas no sexo. Continue até o parto para que a criança veja que tudo o que você falou é natural. Faz parte da vida.

Sugestão: utilize o livro da escola da criança. E, mais do que isso, leia o que está escrito lá para ver se não tem nada que vai contra seus valores e princípios pessoais. Se sim, corrija para que seu filho já entenda.

Muito importante. Depois, pergunte se a criança tem alguma dúvida. Deixe ela perguntar e sempre fale de maneira honesta e clara, mas somente o que ela perguntar. Não precisa ir além.

Normalmente, ela vai perguntar na medida que está pronta para ouvir e entender alguns temas. Mas nós, pais, devemos ter bom senso de saber até onde expor.

Não esqueça que as crianças, pelo Estatuto da Criança e Adolescente, não podem ser expostas a imagens e mensagens de cunho e conteúdo sexuais. Cabe a nós o equilíbrio.

Meu filho perguntou sobre sexo

Se o seu filho perguntou sobre o tema antes da hora que você se preparava para falar do assunto, segue a mesma orientação: responda só o que ele perguntar. Não precisa ir além! E também questione por que ele está perguntando tal coisa.

Tem dois exemplos clássicos que ilustram bem o por que dessa orientação:

– Mãe, o que é virgem?
– Por que, filha?
– Está aqui na garrafa “azeite extra-virgem”.

Não apresente assuntos que não são necessários!

– Mãe, o que é sexo?
– Sexo feminino para as mulheres e sexo masculino para os homens.

Essa resposta é ótima para as crianças menores. Mas é CLARO que você precisa perguntar onde ela viu/ ouviu essa palavra. Talvez, ela esteja sendo exposta a mensagens de cunho sexual em algum lugar e os pais precisam intervir. Até os 7, 8 anos, eu não acho interessante que haja a explicação específica da sexualidade.

Se seu filho perguntar de onde vêm os bebês, você pode explicar com a metáfora de que o papai coloca a semente na mamãe (que é verdade, né?). Se a criança perguntar – só se ela perguntar – como ele coloca a semente, você pode explicar que é quando eles namoram sozinhos no quarto.

Se ela insistir, você pode dizer que em alguns anos você vai explicar mais porque ela já vai ter idade para entender melhor, que vai aprender até na escola.

Na adolescência

Mais tarde, quando a criança estiver um pouco mais velha (na minha opinião pessoal, quando entrar na puberdade), é a hora de explicar sobre doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada – e quais são os cuidados sobre isso.

Também é um bom momento para falar sobre virgindade e pressão social do grupo. Mais do que tudo, o importante é manter o canal de diálogo sempre aberto. Se a criança ou adolescente achar que esse é um assunto proibido em casa, ele vai procurar informação na internet (pelo amor de Deus) ou com colegas. Seja você o canal de informação oficial sobre o tema na sua casa!

Sobre prevenção de abuso sexual

O tema sexualidade para crianças menores – focando a prevenção do abuso sexual – sempre deve ser tratado de maneira lúdica respeitando a imaturidade do seu filho.

O que eu sempre fiz aqui em casa foi, desde bem pequenas, explicar o que são partes íntimas. Mostrar quais são as partes íntimas delas e dizer que ali ninguém pode mexer nem pedir para ver. Assim como não devemos ver ou tocar as partes íntimas dos outros.

A exceção é o cuidado da mamãe, do papai ou de outro cuidador. Esse toque é sempre com cuidado, respeitoso e nunca precisa ser secreto. Tudo que é segredo pode ser errado! Então, elas devem sempre procurar um adulto de confiança para falar sobre o que aconteceu.

Para quem precisa de ajuda, a Fafá Conta tem um vídeo bem legal com uma história bacana.

Sobre valores e princípios

Esse é um bom momento para você explicar para as crianças sobre seus valores e princípios acerca da sexualidade. Alguns aqui de casa:

– ninguém pode forçar ninguém a fazer sexo
– sexo é algo especial, feito por Deus para ser usufruído no casamento
– sexo é bom
– sexo é para adultos e é um momento íntimo (não compartilhado ou feito na frente de pessoas)
– cada família explica para as crianças sobre sexo da sua maneira e no seu tempo, então não é para você falar sobre isso com seus colegas crianças. Esse é um tema para ser falado em casa.
– qualquer dúvida sobre o assunto pode e deve ser trazida para o papai e a mamãe

 

 

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 10 anos, e Ana Júlia, 5 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados