Para Mães e Pais casamento é para sempre

Filhos são para sempre, casamento também deveria ser

12 de agosto de 2019

“Os filhos de um homem são um pedaço dele, mas a esposa é ele próprio.” Matthew Henry

Eu sempre bato nessa tecla (e isso vale para homens e mulheres): fazemos, faríamos e faremos tudo pelos nossos filhos. Porém, o relacionamento que veio antes e que ficará depois que as crianças saírem de casa é com o nosso marido/esposa.

Cultive esse relacionamento!

Mesmo que seja difícil, mesmo que não seja tão natural como é cuidar das crianças, mesmo que exija esforço. Casamentos não se mantêm porque duas pessoas “nasceram uma para outra”; eles se mantêm quando há compromisso em se doar para fazer funcionar.

Mesmo quando está difícil, mesmo quando há conflitos, mesmo quando a paixão parece ter ido embora. É nessa hora que o compromisso e a aliança falam mais alto: a gente faz acontecer porque decidiu mesmo quando não estamos sentindo.

Como disse o prof. Jordan Peterson em uma de suas aulas: o voto de casamento  é “pesado”, mas é por isso que se chama juramento, é feito em frente a várias pessoas e deveria ser um ato sagrado.

“Não importa o que aconteça, eu não vou embora. Eu sei que você é uma pessoa difícil, eu também sou. Mas a gente tem um compromisso e estamos presos um ao outro. Então, vamos fazer dar certo?”

Se você não tem um escape, não tem para onde fugir, então você resolve o problema. Quando o divórcio é sempre uma opção, você não está disposto a solucionar questões importantes do relacionamento. E essas questões vão surgir, é óbvio!

Leia também: Marido e mulher até que o primeiro filho os separe

O sentimento do amor (e até mesmo a paixão) pode ser reencontrado porque segue a decisão. É, por isso, que o sucesso do casamento se baseia no compromisso.

A maturidade da vida adulta não se baseia em ter filhos e amá-los – isso é fácil. A maturidade da vida adulta está em assumir um compromisso com todo potencial para gerar conflitos (como é o fato de duas pessoas de temperamentos, histórias e ideias diferentes dividirem uma vida juntas) e honrá-lo com integridade. Até que a morte nos separe? Então, é até que a morte nos separe.

É LÓGICO que não ignoro a triste realidade atual de abuso e violência doméstica. E não estou dizendo que alguém deva se submeter a um relacionamento onde é violentado e espancado em prol de um compromisso firmado. O crime, por si só, já viola o compromisso e a aliança!

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 10 anos, e Ana Júlia, 5 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados