Para Mães e Pais mentira na infância

Meu filho está mentindo – Como lidar com a mentira na infância?

20 de abril de 2017

Mentira aqui em casa é assunto muito sério. Manuela, aos 8, já sabe muito bem o que é mentir e não consegue fazer. Na época que começou a querer mentir deliberadamente, nós pegamos (os pais quase sempre sabem, né?) e conseguimos mostrar como isso era ruim. Ganhamos o coração dela e hoje sentimos que podemos confiar. Mas lidar com a mentira na infância não é algo simples, principalmente no começo, quando a gente ainda não sabe se as crianças estão fazendo na maldade ou na inocência.

Por isso, convidei a psicóloga Camila Machuca, para falar sobre o mentira na infância. Ela é especialista em neuropsicologia pela USP e em PCIT – Parent Child Interaction Therapy pela University os West Virgínia (EUA) e já participou do blog outras vezes. Atua com avaliação neuropsicológica e atendimento clínico de crianças, adolescentes e adultos, além de prestar consultoria para pais em questões relativas a educação de filhos e desenvolvimento infantil.

Confira a explicação dela sobre mentira na infância!

A maior parte das pesquisas aponta que as crianças começam a mentir entre 2 e 3 anos de idade.

A mentira na infância tem sido um tema bem pesquisado ultimamente, visando principalmente reconhecer quando esse comportamento começa e quais são os mecanismos cerebrais envolvidos nesse processo.

Os principais motivos que levam uma criança a mentir são:

– Conseguir algo que querem
– Se livrar das consequências de uma ação errada
– Ganhar atenção dos seus pais ou amigos
– Tornar suas histórias mais fascinantes e parecerem mais interessantes perante outras pessoas
– Evitar magoar as pessoas importantes para ela ou proteger aqueles que ama

É importante deixar claro que a medida em que as crianças crescem e se desenvolvem, o motivo da mentira na infância muda e a complexidade também. Por isso é fundamental que os pais ajustem a punição/ repreensão a idade da criança.

Por exemplo, entre 2-4 anos a habilidade da linguagem ainda está em desenvolvimento e as crianças ainda não tem bem clara a noção de onde a verdade começa e termina. Nessa faixa etária elas ainda não possuem uma diferenciação clara entre realidade, fantasia, medos e desejos. Relembrando que essa é a fase dos amigos invisíveis e das histórias fantasiosas. Nessa fase é importante deixar claro para a criança que você sabe que aquilo que ela está falando é mentira, respeitando os marcos de desenvolvimento.

Entre 2 e 3 anos

Nessa idade, a criança ainda não tem plena consciência do que é verdade e o que é mentira. Por exemplo, quando a criança quebra algo, ao invés de confrontá-la diretamente perguntado se ela quebrou aquele objeto, você pode falar: “puxa, estou vendo que o vaso da mamãe foi quebrado”.

Se por exemplo, você pergunta para seu filho se ele comeu uma bolacha e ele disse que não, quando claramente ele comeu, pode dizer algo do tipo: “Mesmo filho? Então não devem ser farelos que eu estou vendo na sua boquinha”- ajustando o tom de voz para ele perceber que tem dúvida nela. São formas de mostrar que você sabe que ele está mentindo e o ajudar nessa diferenciação. Essa fase é uma boa hora para introduzir livros infantis que falem sobre a mentira ou que trabalhem o valor da honestidade

Aos 4 anos

Nessa idade, o desenvolvimento verbal da criança já está mais avançado e ela já começa a mentir mais deliberadamente. Nesse momento você já pode ser mais direto e começar a explicar o que é mentira e porque ela é ruim, especialmente depois que ela mentiu para você.

Tenha uma conversa curta e objetiva, mostrando porque a honestidade é importante. Em resposta a uma mentira você pode usar perguntas como: “Me parece que você não está falando a verdade” ou “ Você tem certeza que foi isso que realmente aconteceu?”.

Entre 5 e 8 anos

As crianças em idade escolar (5-8 anos) contam mais mentiras relacionadas a escola: tarefas escolares e eventos associados a amigos e professores. Nessa idade a manutenção da mentira ainda é difícil para a criança e os motivos que a levam a mentir geralmente estão associados a testar o quanto podem mentir e escapar sem que ninguém perceba.

Tenha um canal aberto de diálogo com seu filho e procure elogiar sempre que ele for honesto, com elogios e feedback positivo. Nessa idade eles são muito observadores, portando os pais tem que ser exemplo. De nada adianta ensinar seu filho a falar a verdade, se ele te pega mentindo, mesmo mentiras que aparentam ser “bobas”, como: “fala que eu não estou em casa”. Se você quer que seu filho seja honesto, você também tem que ser honesto.

Entre 9 e 12 anos

Na fase entre 9-12 anos, rumo aos anos da adolescência, as crianças já compreendem o conceito de verdade e mentira e estão incorporando em sua identidade os valores da confiabilidade e honestidade. Também estão se tornando melhores em sustentar suas mentiras e mais sensíveis a repercussão de suas ações.

Nessa etapa também é normal que as crianças passem a esconder algumas coisas de sua vida, que antes compartilhavam abertamente com seus pais, não porque estão sendo desonestos, mas porque é uma fase do seu desenvolvimento, rumo a maturidade e construção da identidade.

Aqui é importante continuar a desenvolver um relacionamento aberto com seu filho, mostrando o quanto a mentira o desagrada. Também é o momento de ensinar claramente sobre as consequências da mentira e mostrar o dano que pode causar na credibilidade do seu filho e em seus relacionamentos.

Outra boa estratégia e que é os pais proporcionem a criança a convivência com pessoas que consideram como referência e que admiram, para que possam dar bons exemplos do que fazer em vez  de mentir, para sair de situações em que a mentira parece o único caminho.

Outras dicas importantes para combater a mentira e incentivar a honestidade

– Nunca rotule seu filho como “mentiroso”, isso será prejudicial para sua autoestima, bem como pode aumentar o comportamento dele de mentir

– Quando seu filho admitir que fez algo errado, elogie ele pela sua honestidade. Destaque o quanto você fica feliz por ele ter escolhido a verdade

– Quando seu filho tem mentido de forma recorrente, é interessante que você analise por qual motivo ele tem feito isso. Será que está tentando proteger alguém? Está com dificuldade em assumir a consequência dos seus atos? Tem medo que você o castigue com severidade? Converse com seu filho sobre isso, para que juntos possam pensar em soluções alternativas a mentira

– Existem situações sociais em que incentivar seu filho a falar a verdade pode parecer um pouco desafiador. Por exemplo, quando ele ganha um presente que não gosta, você pode analisar com ele algum aspecto daquele presente que é interessante para que seu filho posso fazer um agradecimento sincero. Por exemplo: agradecer o tempo que a pessoa investiu escolhendo o presente.

– Deixe clara quais são as regras e consequências que existem em sua casa a respeito da mentira

–  Sempre aplique uma consequência relacionada a mentira que contou. Se por exemplo ele mentiu que não riscou a parede, peça que ele te ajude a limpar a parede. As consequências sempre devem estar relacionadas com o comportamento que estamos tentando alterar

– Tenha conversas sinceras sobre o valor da honestidade e os ganhos que ela traz. Você pode até dar exemplos da sua vida em que você escolheu a verdade e colheu bons resultados.

 

 

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 10 =

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Amo escrever, amo meu marido, amo minhas três filhas e, acima de tudo, amo Jesus. Moramos na Pensilvânia, nos EUA, e, sempre que consigo, gosto de falar sobre minhas experiências, aprendizados e desafios seja na maternidade, na vida cristã ou como imigrante.

Saiba mais

Maternidade Simples 2015 - 2024 - Todos os direitos reservados