Para Mães e Pais meu filho não obedece

Meu filho não obedece

30 de agosto de 2019

Muitos pais reclamam (e outros só mostram) que seu filho não obedece. Isso é profundamente desgastante. Gosto de um Provérbio que diz que a criança disciplinada traz grande alegriapaz aos seus pais. Porém, não é isso que vemos por aí, não é mesmo.

Boa parte do desgaste de ser mão e pai é porque estamos constantemente lutando para sermos ouvidos, compreendidos e obedecidos (lembrando, obviamente, que queremos que nossos filhos obedeçam por que estamos buscando o seu bem-estar  e não, simplesmente, porque somos tiranos com necessidade de autoafirmação).

Mas se nossos filhos forem ensinados a obedecer, será muito mais fácil viver: tanto para eles, como crianças, quanto para nós, pais. Vamos falar sobre isso? Como ensinar o seu filho a obedecer. 

O que fazer se meu filho não obedece?

Treine seu filho na obediência. Quando antes você começar, mais fácil será.

Lembrando que se você não concorda, ótimo! Não faça com seu filho. Nesse site, valorizamos e compreendemos a importância das autoridades instituídas e temos certeza de que a honra e obediência a elas produz benefícios diversos à criança e à estrutura familiar. Defendemos e continuaremos a defender que pais exerçam autoridade em suas casa, buscando ensinar como fazer isso de maneira saudável.

1. Ordens adequadas

A primeira coisa que precisamos avaliar é se as ordens que estamos dando são adequadas à faixa etária e à capacidade da criança.

Às vezes, seu filho não obedece ou se “enrola” porque simplesmente não consegue fazer algo. Ou não entendeu a ordem. Então, avalie.

2. A criança ouviu?

É muito importante ter certeza que a criança ouviu o que você falou. Já abordamos esse assunto no post “Meu filho não me escuta”, quando temos a impressão de ter que falar 50 vezes para a criança fazer algo.

Seu filho não obedece? Garanta que está te escutando. Conecte-se com ele, seja pelo olhar, tom de voz ou aproximação.

Porém, a criança também precisa ser treinada a ouvir. A voz do pai e da mãe não pode ser simplesmente ignorada (assim como a de um professor em sala de aula). Portanto, se o “não ouvi” se tornar frequente, medidas devem ser tomadas.

Aqui em casa, eu notei que elas “não me ouviam” quando estavam na televisão. Tirei a televisão como consequência da atitude errada e expliquei: “vocês não assistirão televisão mais durante o dia de hoje porque não é aceitável que não ouçam sua mãe por causa da distração”. No outro dia, assistiram televisão e ouviram as ordens!

É claro que é treino e, como todo treino, precisa ser repetido!

3. Ensine a obedecer de imediato

Deu uma ordem? Na primeira infância, precisamos ensinar a criança a obedecer. Pegue-a pela mão e leve-a para cumprir aquilo que você falou. Exemplo: precisa arrumar o quarto. Pegue a criança do sofá, leve-a até o quarto e espere até ela terminar de arrumar.

Não permita outra atividade – nem dê outra ordem – até que a primeira orientação seja cumprida. E não deixe que a criança “se enrole”. Mandou fazer? Ensine-a a obedecer na hora.

4. Não aceite desculpa/demora

Os pequenos você pega pela mão. Os maiores, você vai até eles e reforça a ordem dizendo que deve ser realizada naquele momento. Não aceite que eles fiquem “só mais um minuto”. Estabeleça as consequências que virão por essa demora: ficar sem aquilo que o distrai é uma ótima consequência lógica (tirar temporariamente TV, videogame, celular).

5. Seja coerente e inteligente nas ordens

Além de dar ordens que façam sentido para a faixa etária e também para a capacidade de seu filho, é importante ser inteligente e bondoso. Por exemplo, seu filho precisa tomar banho naquele minuto ou ele pode terminar de ver os 10 minutos do episódio que está assistindo? Se pode, então dê a ordem correta: “quando terminar esse episódio, você vai para o banho.”

Porém, também acho importante que ordens imediatas sejam dadas esporadicamente para esse treino da obediência…

6. Lembre seu filho o porquê da obediência

Sempre verbalize, com amor e paciência (buscando que a criança realmente entenda em seu coração), o porquê você busca que ele seja obediente. Lembre que você ordena a vida de seu filho para o próprio bem dele e que, para a criança, submeter-se aos pais é função, mas também privilégio de ter alguém que cuida, zela e presta contas sobre.

Por isso, também, sempre avalie bem as ordens que você dá e a motivação por trás delas. Se é só para mostrar quem manda, fica difícil ter um filho que obedece de coração e com alegria.

7. Ensine a apelar respeitosamente

A obediência se torna mais fácil quando a criança sabe que tem acesso a “apelar” para seus pais sobre a ordem. Se ela não quer cumprir aquilo, acha injusto ou não pode fazer naquele instante específico, pode contestar a ordem. Mas seus pais precisam ensiná-la a fazer isso com respeito. Como?

  1. Deixe sempre o canal aberto: seu filho precisa saber que é ouvido e respeitado.
  2. Não “ouça” quando falar desrespeitosamente. A criança gritou, resmungou, bateu o pé contra a sua ordem, diga “essa não é a maneira aceitável de falar com seus pais. Eu até entendi o seu argumento, porém, como você falou desrespeitosamente ele não será levado em consideração. Faça o que eu te falei agora. Da próxima vez, fale com um tom de voz calmo e baixo e eu vou ouvir.”
  3. Quando houver a possibilidade e a criança abordar o ponto dela de maneira respeitosa, ouça, leve em conta e flexibilize a ordem, deixando claro o porquê: “como você falou de maneira respeitosa e achei que faz sentido o seu argumento, você pode esperar mais um pouco para fazer isso”. Isso acontece bastante aqui em casa quando falo para a Ana Júlia guardar um brinquedo e ela responde que vai brincar com ele nos próximos minutos, explica qual é a brincadeira para justificar porque tanta coisa está na sala e eu, então, digo que não precisa guarda naquele momento, só depois da brincadeira.
  4. Nem sempre você precisa e deve aceitar o apelo respeitoso. Você pode dizer que entende o argumento, foi respeitoso, porém não será possível revogar a ordem naquele momento.
  5. Por trás de todo apelo respeitoso, deve ter uma criança que está com o coração obediente e está disposta a obedecer de imediato caso seu apelo não seja aceito. Se o argumento da criança não é aceito e ela se revolta contra a ordem, o apelo foi só uma tentativa de manipulação.

8. Seja claro, consistente e firme em seus limites

A desobediência sempre deve ter consequências. Lembrando que obediência demorada, com reclamação ou desculpas também é desobediência. Então, seu filho deve saber quais são essas consequências para a ação deles. Isso deve ser prévio e claro.

Porém, para que seja internalizado, os limites devem ser mantidos e as consequências aplicadas sempre. É a consistência de um ensino que faz com que ele seja aprendido.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 10 anos, e Ana Júlia, 5 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados