fbpx
Para Mães e Pais

O pós-parto do pai

5 de janeiro de 2009

Para aquelas que têm medo de cesárea, sugiro que não leiam esse post!

Sou e sempre fui a favor do parto normal, mas sabia que existia a possibilidade de eu precisar fazer cesárea e estava “tranquila” porque pedi a Deus que cuidasse de mim, independente do parto que fosse fazer!

Eis que chegou a hora e, por causa da cerclagem, as contrações que senti eram muito mais doloridas que o normal (segundo minha obstetra) e fizemos uma cesárea. O procedimento foi tranquilo e, graças a Deus, consegui dormir no período pós-cirúrgico, até que a anestesia passasse.

Entretanto, a dor da cirurgia nos primeiros dias (acho que uns 3) é realmente bem grande. Como disse minha mãe, parece que nunca mais vamos conseguir esticar a barriga. É nesse momento que o pai participa do parto de fato! Até então, ele foi um mero fotógrafo do momento e até mesmo o mensageiro para dar as boas notícias aos amigos e familiares.

Nesses dias, além da paciência, o pai precisa de força para carregar a nova mamãe para tudo! Eu, particularmente, precisava de ajuda para levantar da cama, para deitar na cama, para tirar a roupa, para vestir a roupa, para sentar no banheiro e levantar e tudo mais que exigisse qualquer movimentação corporal… Graças a Deus, o Júnior estava lá, mesmo quando as idas no banheiro eram de madrugadas ou eu pedia água a cada cinco minutos… Tive alta três dias depois do parto e saí do hospital quase 100%, para alegria minha e do meu marido também!

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 11 anos, e Ana Júlia, 6 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2015 - 2020 - Todos os direitos reservados