Sobre Filhos ansiedade da separação

Ansiedade da separação ou a “crise dos 8 meses”

2 de fevereiro de 2015

Vocês já ouviram falar sobre a “crise dos 8 meses” ou a ansiedade da separação? Apesar de poder acontecer em outras idades, é muito comum na fase dos oito meses e, por isso, o apelido. A psicóloga Raisa Arruda explica para nós mais sobre este marco do desenvolvimento infantil:

O que é ansiedade da separação ou crise dos 8 meses?

A ansiedade da separação é o momento que a criança é tomada por uma angústia pela ausência da mãe (mas também pode ser de outro cuidador) “Estar longe desse cuidador dá a sensação de desamparo, como se a criança ficasse sem proteção, e daí o medo do que pode vir. A ansiedade é algo relacionado ao porvir, a criança fica com medo daquilo que vai acontecer, e que ela não sabe o que é. Ela vem de uma situação de presença e apoio, e de repente, isso muda, sem explicação, sem preparo.”

Quando acontece?

Esta fase acontece com todos os bebês e pode iniciar em qualquer idade, dependendo da relação entre mãe e filho. “Quando a gente inicia a alimentação complementar, a criança começa seu aprendizado de que ela e a mãe são corpos diferentes, começa a compreender que seu corpo não se satisfaz sozinho e que precisa da mãe para satisfazer suas necessidades vitais (alimento, colo, atenção, higiene. Sim, colo e atenção são vitais para a criança!). Por volta dos nove meses a criança já sabe que seu corpo e o da sua mãe  são diferentes, mas ela ainda não sabe que as coisas existem, mesmo que ela não veja”, comenta.

Por isso, quando a mãe se ausenta, o bebê não sabe o que aconteceu com ela nem se vai voltar! Imaginem que dureza.

Quanto tempo pode durar?

Em geral, dos nove aos doze meses, a criança já começa a entender que a mãe vai e volta e gradualmente esta ansiedade passa. Mas pode se estender até os 2 anos de idade.

Que sinais a criança pode ter?

Chorar no colo de outras pessoas, chorar quando a mãe se afasta, buscar sempre estar perto e muitas vezes no colo. Podem até mamar com mais frequência, como uma forma de se aproximar da mãe. Dependendo de cada família, pode haver sintomas físicos como perda de sono, mudança no apetite e, até mesmo, agressividade.

Como os pais devem agir?

Com muita paciência, amor e acolhimento. Tente compreender o bebê – lembre que ele não pensa como um adulto – e busque explicar o que vai acontecer nos momentos de afastamento. Brincadeiras de esconder/ achar tendem a ajudar a criança a ver que as coisas vão e voltam. Mas não há fórmula mágica, o importante é agir com segurança e clareza com a criança.

“Não mentir, nem enganar, porque isso aumenta a insegurança da criança e vai fazer com que ela desacredite nos pais e no futuro isso pode ser um problema na relação familiar. Sempre explicar que vão sair, e que vão voltar. De preferência deixar a criança com pessoas que ela goste e sinta segurança e acolhimento. No mais, buscar orientação de algum profissional que possa acompanhar de perto pra ajudar é sempre uma saída porque que cada caso é um caso e tudo depende da historia familiar dos pais e como eles encaram as situações”, concluir Raisa.

 

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Comentários

  1. Daniela disse:

    Muito bom texto! Linguagem simples e compreensiva.
    Mas nao eh so na fase bebê, tem muito adulto que passa por isso porque depende exatamente dessa fase, como foi a resposta dos cuidadores nesse momento.
    Indico um autor que fala muito lindamente sobre formacoes de vinculos. Ele é o John Bowlby, criador da teoria do apego. Tem um livro mais tranquilo que eh “formacao e rompimento de vinculos. Mas tambem tem a trilogia “Apego” eh o primeiro da trilogia.
    So de imaginar a angustia que deve ser para os bebês ate dói imaginar.
    Mamaes e papais, cuidem de vcs, da historia de vida de vcs, procurem ajuda profissional se n conseguir sozinhos, mas tentem n repetir padroes de inseguranca pra seus bebês. Nao eh facil e nem todo mundo consegue alcancar o q muitas vezes eh inconciente.
    Ate os 3 meses fornecam uma base segura para seus filhos. O olhar q vc tem dele e o olhar q vc tem do mundo la fora influenciam como essa crianca vai se ver e como vai enxergar o mundo.
    Falei demais e com muito sono rsrs
    A vinculacao mae-bebe ou cuidador-bebe nos primeiros meses de vida eh a forma de se relacionar com o outro que ele pode levar pro resto da vida. Entao nao me digam “criancas nao entendem” . Pode nao ter a compreensao de um adulto, mas o registro inconsciente ele leva pro resto da vida. As coisas podem sim ser reversiveis, mas melhor investir no agora.
    Depois de tanta falacao gostaria de parabenizar o site q eu adorei e tambem a materia. Um abraco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Amo escrever, amo meu marido, amo minhas três filhas e, acima de tudo, amo Jesus. Moramos na Pensilvânia, nos EUA, e, sempre que consigo, gosto de falar sobre minhas experiências, aprendizados e desafios seja na maternidade, na vida cristã ou como imigrante.

Saiba mais

Maternidade Simples 2015 - 2024 - Todos os direitos reservados