Para Mães e Pais Dicas para organizar a vida como mãe

Dicas para organizar a vida como mãe

15 de maio de 2019

Postei no Instagram que uma das coisas que aprendi com a maternidade foi a organização. E algumas pessoas me pediram por lá dicas para organizar a vida como mãe.

Eu sempre fui muito desorganizada – com as coisas e com o tempo. Quando minha filha mais velha nasceu, eu entendi que ou me organizava ou morria! Tá, não literalmente, mas as coisas ficariam muito difíceis. Eu não sou especialista em nada, mas posso contar o que eu fiz e as coisas que têm funcionado no meu dia a dia. Quem sabe possa servir de inspiração.

Dicas para organizar a vida como mãe

Antes de mais nada só quero lembrar que isso funcionou – e muito! – para eu manter a minha sanidade. Mas é algo que também varia de personalidade e temperamento. Se a organização não faz a menor diferença para você, não se sinta julgada ou obrigada a algo que funciona para os outros.

Porém, autoconhecimento é fundamental. Muitas vezes, a gente anda ansioso e confuso (mental e emocionalmente) por falta de organização e nem imagina que é isso. Tente resolver essa parte e talvez as coisas caminhem melhor no seu cotidiano. Muitas vezes, com mudanças simples, conseguimos ser mães com mais paciência e evitamos aquelas cenas tristes de gritar com os filhos.

1. Coloque as coisas no papel

A primeira coisa que me ajudou muito foi anotar as coisas que eu precisava fazer. Isso porque, assim, eu consigo tirar os itens e responsabilidades da minha cabeça, aliviando a minha carga mental.

Você pode simplesmente ter uma nota no seu celular, uma lista colada na geladeira, um planner, um quadro organizador… o importante é tirar da cabeça e passar para algum lugar.

Como eu faço (ou já fiz em épocas de maior necessidade) aqui em casa:

Eventos, compromissos: na agenda do celular e no quadro branco/ calendário que temos na despensa. Assim, o marido também tem acesso e não eu não preciso ficar lembrando dos compromissos que temos juntos. Uma tarefa a menos.

Isso é essencial para a gente não marcar médico junto com reunião da escola; aniversário do amigo com café da família; almoço com o marido quando tem reunião como cliente etc.

Tarefas de trabalho: Eu sempre usei o Outlook porque, no meu trabalho, estava sempre com ele aberto. Quando parei de passar o dia no escritório, comecei a usar a própria agenda do celular para lembrar dos meus prazos de tarefas de trabalho e também meu planner (papel).

Há vários aplicativos de celular e também ferramentas online, como o Trello, para quem gosta de organizar bem as tarefas e incluir passo a passo, em andamento, concluídas, categorias etc.

Tarefas domésticas: Tenha em algum lugar o dia certo para cada coisa. Exemplo: lavar roupa nas segundas, quartas e sextas; passar roupa nas quartas; ir no mercado nas segundas etc.

Se você tem ajudante ou diarista, vale a pena ter anotado um cronograma do que será feito e quando. É tão ruim quando a gente tem que falar todos os dias o que elas devem priorizar, não?!

2. Estabeleça suas prioridades (e suas possibilidades)

É muito importante já saber do que você não abre mão: louça lavada e guardada, camas arrumadas, banheiros com cheirinho de água sanitária (rs)… E também aquilo que você consegue relevar: dá para deixar a louça no escorredor, não tem problema ter brinquedos no sofá da sala, banheiro pode ser lavado uma vez por semana ou a cada 10 dias…

Com isso em mente, você dá prioridade para essas coisas que fazem sentido e são importantes para o seu bem-estar físico e mental.

É fundamental, entretanto, reconhecer a sua real possibilidade: talvez você possa fazer mais, mas talvez não possa. Uma mãe com um recém-nascido em casa precisa baixar algumas expectativas e reduzir a lista de prioridades. Ainda que precise da organização externa para ajudar a ter um puerpério mais tranquilo e em paz.

3. Aproveite cada tempinho disponível

Isso exige muita disciplina interior e luta contra a procrastinação. Só tem 10 minutos? Faz o que dá naqueles 10 minutos. Exemplos pessoais:

  • evito sair do meu quarto sem antes arrumar a minha cama
  • ao passar pelos quartos das meninas já dou aquela organizada (elas têm a responsabilidade de arrumar, mas nem sempre conseguem deixar do meu padrão, rs)
  • enquanto elas terminam de almoçar (geralmente eu como mais rápido), eu lavo a louça que usei para fazer o almoço e, depois que elas terminam, só lavo os pratos delas enquanto estão escovando os dentes. Ou seja, saímos de casa para a escola com a louça zerada.

4. Evite acúmulos

Toda vez que deixamos algo acumular, é mais difícil de fazer. Louça acumulada na pia, roupas bagunçadas no armário, brinquedos que vão se somando no canto do chão do quarto… Dá até um desânimo de olhar e, nesses casos, a gente não consegue resolver nos 10 minutos que tivemos sobrando.

Então, no que for possível, evite deixar acumular a bagunça. Será mais difícil de voltar à ordem depois. E isso irá trazer aquela sensação do “tenho que fazer”, que suga as nossas energias mais do que o próprio “fazer”.

5. Faça seu tempo

Esse tópico fala de duas coisas: o “seu tempo” e o “fazer tempo”.

Primeiro, quero falar do seu tempo. A organização também tem a ver com a “organização interna”, a paz de espírito, emoções centradas, bem-estar. E isso é a gente mesmo que constrói! Não dá para ficar dependendo da boa vontade alheia para a gente se sentir bem.

Sendo assim, você precisa entender o que faz bem para você: oração, meditação, exercícios físicos, leitura, tomar café da manhã em silêncio… E colocar como parte da sua rotina nem que para isso – chegamos na segunda parte – você precise “fazer tempo”.

Para mim, um bom dia começa com a minha rotina de oração e leitura bíblica. Se eu não começar com isso, tudo fica complicado para as horas restantes. Só que não consigo ter um tempo de qualidade com as crianças acordadas, então, acordo mais cedo para que isso seja possível.

Além disso, quando acordo antes delas, consigo também organizar/ realizar algumas outras tarefas logo cedo. Assim, quando elas levantam, posso ter mais tempo com elas. O que é fundamental para as crianças e também para nosso bem-estar!

6. Otimize o tempo

Fazer várias coisas ao mesmo tempo pode ser desgastante ou a solução para seus problemas, tudo depende da sua organização. Não é para você ir acumulando as coisas que aparecem e fazer tudo de qualquer jeito (chorando por dentro). É planejar essa otimização. Exemplos da minha vida:

  • preciso cobrar a tabuada da minha filha mais velha. Vou fazer isso enquanto levo ela para a escola.
  • quero/ preciso assistir a uma palestra importante no YouTube. Vou fazer isso enquanto passo roupa.
  • preciso conversar com alguém, marcamos na hora do almoço. Todo mundo tem que comer, né?
  • quando cozinho, já penso em fazer uma quantidade maior e guardar para outras refeições.

Outra maneira de otimizar o tempo é largando um pouco o celular, né? Ele nos ocupa tantas horas do nosso dia que a gente nem percebe. Experimente estabelecer horário específico para rolar pelas redes sociais e veja sua vida ficar mais produtiva.

7. Organize o ambiente de maneira realista

A organização do ambiente influencia muito no nosso bem-estar emocional. Quando vivemos num ambiente bagunçado e desorganizado, a tendência é que nossas emoções andem mais ansiosas – mesmo que a gente não perceba.

Essa foi uma mudança muito importante na minha vida. E até hoje busco melhorar aquilo que percebo que ainda me incomoda. Enquanto escrevo, por exemplo, já percebi que se a louça estivesses guardada (e não no escorredor), eu estaria mais feliz, rs.

Mas vamos a alguns exemplos práticos que me ajudaram aqui em casa:

Armários, gavetas e afins: Estabeleça lugares para guardar as coisas, preferencialmente que fiquem longe da vista. Armários, gavetas, lugares fechados para organizar itens e não ficarem “poluindo” o ambiente. Dá uma paz olhar para mesas, bancadas e aparadores organizados!!

Recentemente, descobri a alegria de manter dentro do armário organizado também. Eu já tenho esse hábito com as roupas, mas o armário da cozinha era uma tristeza. Comprei organizadores e agora consigo ver o que tem e o que não tem; e não me dá vontade de sair correndo quando abro o armário, rs.

Lugar para o que precisa ficar à mão: Mas tem coisas que precisam ficar à mão, como chaves, carteiras, bolsas… Tenha um lugar para isso também. Aqui em casa, a gente colocou uma cestinha no aparador – no lugar onde a gente sempre deixa as chaves e carteiras. Assim, é só colocar ali dentro. Ainda está em cima, à vista, mas pelo menos está organizado. PAZ!!!

Outra coisa é a mala escolar das meninas, que ficam na sala a semana toda. Mas, pelo menos, têm seu cantinho próprio. No final de semana, vão para os quartos e ficam atrás da porta. Ainda temos algumas coisas que precisamos melhorar nesse aspecto, mas vamos chegar lá.

Mantenha as coisas no mesmo lugar: Quando você tem lugar certo para as coisas, perde menos tempo procurando o que precisa. Então, mantenha as coisas onde elas devem estar. É para o seu bem!

Delegue responsabilidades: Lembre as crianças que elas também são responsáveis pelo cuidado e pela organização de suas coisas. Não deixe de fazê-las guardar seus brinquedos, organizar seus materiais, colocar as roupas corretamente no guarda-roupa etc.

Talvez no começo você precise ajudar, corrigir e arrumar o que elas fizeram errado muitas vezes. Mas continue ensinando! Elas também precisam ser responsáveis – isso é bom para você no presente e para elas no futuro.

8. Rotina

Outra coisa que eu sempre fiz e me salvou quando as meninas eram bebê foi: manter uma rotina na casa. As crianças precisam saber que há hora para comer, tomar banho e dormir. Isso ajuda no desenvolvimento físico e psíquico delas.

Muitas de nossas crises com sono do bebê, birra ou dificuldades na escola seriam resolvidas se buscássemos manter uma rotina com nossos filhos. Então, aqui em casa, a gente sempre procurou manter ao máximo a rotina, ainda que saíssemos dela eventualmente.

Mas, por exemplo, se a Ana Júlia bebê dormia às 20h e a gente tinha compromisso, buscávamos sair depois que ela já tivesse tomado banho e dormido. Levávamos dormindo mesmo, mas tentávamos manter os horários.

Hoje, com as meninas maiores, a gente sai da rotina com mais frequência. Mas, quando estamos em casa, hora do banho, dormir, almoçar funciona sempre do mesmo jeito!

9. Seja maleável e não surte

Essas rotinas, planejamentos e organizações são para facilitar a vida e não se tornar uma prisão. Então, seja maleável e entenda que, às vezes, mudanças podem acontecer. Se isso ocorrer, não surte! Volte assim que possível e vai ficar tudo bem.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 9 anos, e Ana Júlia, 4 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados