Durante a Gravidez violência obstetrica

Informação é a arma contra violência obstétrica no pré-natal

25 de janeiro de 2018

Existem definições diversas sobre o que seria a violência obstétrica. Isso tem se tornado cada vez mais fácil de identificar e dar voz aos relatos é uma das maneiras de diminuir os casos e inibir a prática entre os profissionais da saúde.

Mas eu quero falar sobre uma atitude específica dos médicos, que eu considero violência obstétrica: indução de cesárea!

Eu não estou falando contra a cesárea, mesmo porque fiz duas! Mas o que eu considero uma violência é a gestante não ter a opção do parto que quer.

Eu já ouvi inúmeras mulheres falando que fariam cesárea porque “o cordão está enrolado” ou “já fiz uma cesárea antes”. No pré-natal, o médico já disse que elas não poderiam ter parto normal e pronto!

Quando a gente teve a palestra sobre “Quem tem medo de parto normal?“, a obstetra que participou foi simplesmente sensacional e desmistificou muitas das pseudo justificativas de cesárea. Ela não minimizou a importância da cirurgia quando necessária, mas explicou que só tem uma coisa que exige cesárea e que é detectada no pré-natal: placenta prévia – quando a placenta está entre o bebê e o canal vaginal.

Ah, e claro e muito importante: o desejo da mulher. Se a gestante quer fazer uma cesárea, deve ser respeitada e orientada, obviamente, sobre os riscos e desvantagens para ela e o bebê. Mas todas as outras situações que podem exigir a intervenção cirúrgica só são vistas na hora do trabalho de parto.

Para não ser injusta, ela ainda citou uma outra possibilidade: quando a mulher tem mais de três cesáreas anteriores. Nesse caso, o risco de complicação no parto normal é maior que o risco da cesárea, mas ainda sim, a mulher pode escolher.

Só que para uma gestante – especialmente de primeira viagem – que ouve o obstetra falar “não dá, vai ter que ser cesárea”, é muito complicado discordar. A gente não entende, confia no médico e tal. Por isso, a maior arma para não cair no conto do vigário da cesárea é INFORMAÇÃO. 

Então, se você quer ter parto normal, INFORME-SE. Leia tudo e mais um pouco sobre o assunto. Há uma infinidade de sites que trazem informações confiáveis.

Talvez seja preciso mudar

Mas, mesmo com toda a informação, pode ser preciso tomar a difícil decisão de mudar de obstetra. Porque como você vai confiar em um cara que insiste que não pode ter parto normal por causa de determinada situação que você já sabe que não é impeditivo? A gente, infelizmente, não tem como mudar a cabeça de uma pessoa. E por mais que você mostre a informação, querendo ou não, a relação ficará abalada.

Se você está passando por uma situação parecida, quero de encorajar com esse depoimento super lindo da Marina, que mudou de obstetra com mais de 30 semanas de idade gestacional:

{Depoimento} Tive parto normal 15 meses após uma cesárea

Por fim, cerque-se de pessoas que te apoiam e entendem. Se você não conseguir esse suporte na família, busque amigos, grupos de apoio e até mesmo mães na internet. O mais importante é que sua vontade seja respeitada!

Para quem quer cesárea

Como falei lá em cima, não estou aqui para falar contra a cesárea. Eu mesma fiz duas e, apesar de saber de todos os benefícios do parto normal, morria de medo e pensava em optar pela cirurgia. Acabou que as duas gestações acabaram em cesárea por necessidade.

Se você quer escolher pela cirurgia, pela razão que for, só queria dar um conselho/ fazer um pedido: espere o trabalho de parto começar. Assim, você sabe que o bebê está pronto para nascer e não corre riscos por conta de prematuridade.

Se você ainda não está certa do que quer, leia bastante. Isso irá ajudar você a decidir o melhor!

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Comentários

  1. Thaís disse:

    Oii Melinda!

    Descobri teu blog hoje, sem querer, buscando informações para tentantes. Resolvi me tornar uma e ainda estou naquela fase de ir ao médico e ver se tá tudo bem para realmente fazer a coisa ir adiante. Adorei teu blog e teu texto. Também sou jornalista e advogada. Sempre, desde muito pequena, me interesso pelo universo materno e mal posso esperar até chegar a minha vez. Teu blog, com certeza, ficará na minha lista de leitura. Me identifiquei muito com tuas opiniões e bom senso.
    Parabéns pelo trabalho! Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

PUBLICIDADE

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 9 anos, e Ana Júlia, 4 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2017 - Todos os direitos reservados