Para Mães e Pais

A hora certa de ter o segundo filho

1 de junho de 2020

Você já se questionou se é a hora certa de ter o segundo filho?

Nunca me imaginei mãe de um filho só. Sempre pensei em dois irmãos que me dariam trabalho, mas seriam amigos para todo sempre.

hora certa de ter o segundo filho

A Manuela nasceu e muito rapidamente a ideia de ter outro filho desapareceu. O cansaço, o estresse, o trabalho de ter um bebê em casa simplesmente dissipou toda e qualquer vontade de ficar grávida novamente. E assim foi por quase dois anos!

Além desta questão bem prática, eu ainda tinha uma pira de que eu amava tanto, tanto a Manuela que era injusto com ela ter que dividir esse amor com um irmão. É até ridículo de tentar explicar, rs, mas acho que as mães vão me entender um pouco.

Só depois do segundo ano, quase no terceiro, é que a hipótese voltou a rondar as conversas entre eu e meu marido. Quando a Manuela já estava com quatro, fazendo praticamente tudo sozinha, eu percebi que tinha que decidir. Se não fosse logo, desistiria. Assim, decidimos engravidar (já falei sobre isso aqui e aqui). Ainda que eu pensasse: será que é a hora certa de ter o segundo filho?

Ana Júlia nasceu quando a Manuela estava com 5 ano e meio. Uma diferença um pouco maior do que eu considerava ideal. Eu sempre pensei na diferença de 4 anos, no máximo, que era a que eu tenho com a minha irmã mais velha. Mas para isso acontecer, precisaríamos ter engravidado numa época que não era possível aqui em casa.

A HORA CERTA DE TER O SEGUNDO FILHO

Hoje que a Ana Júlia está com mais de um ano, consigo listar algumas vantagens em relação à diferença de idade entre irmãos.

IRMÃOS COM POUCA DIFERENÇA DE IDADE

(até 2, 3 anos no máximo)
– O mais novo racionaliza menos a chegada do irmão. É claro que vai sentir e ter ciúme, mas parece mais natural a aceitação já que tem pouca experiência de vida sozinho.

– Sei que cada idade tem uma dificuldade, mas as mais trabalhosas (não necessariamente as mais difíceis) tendem a acontecer até 2, 2 anos e meio: dormir a noite toda, alimentação, amamentação, desfralde, entrada na escolinha. Então, quando os dois passarem destas fases, esta parte passou definitivamente na sua vida.

– A afinidade entre os dois será enorme por conta da proximidade de idade e interesses compartilhados.

– É muito mais fácil ter tempo de qualidade com os dois ao mesmo tempo, já que as atividades, programas e brincadeiras podem ser as mesmas.

– Você não tem tempo para esquecer das coisas. Às vezes, não consigo lembrar como fiz que algo funcionasse com a Manuela e não consigo reproduzir com a Ana Júlia.

IRMÃOS COM MAIOR DIFERENÇA DE IDADE

(a partir de 3 anos)
– Menos trabalho junto. Um já sabe ir ao banheiro sozinho, já dorme sem problemas, ninguém precisa dar comida etc e tal. Aqui em casa, a única coisa que a Manuela não fazia sozinha, mas começou a fazer quando eu estava grávida da Ana Júlia foi tomar banho. Para mim, particularmente, essa é a principal vantagem. Não sei se eu daria conta de dois bebês ao mesmo tempo.

– O mais velho pode ajudar. É importante que ele não se sinta obrigado e solicitado toda hora (pois isso pode acabar irritando), mas em uma necessidade, o irmão pode dar uma mão. Aqui em casa, como meu marido viaja muito, às vezes acabo precisando que a Manuela me ajuda pegando alguma coisa que eu esqueci para o banho da Ana, por exemplo, ou até ficando de olho na irmãzinha enquanto eu vou fazer xixi.

– Apesar de o ciúmes poder ser mais intenso (porque o mais velho já tem memórias da longa vida de “rei” que teve, rs), é mais fácil conversar para ajudá-lo a compreender a situação e mostrar que o amor não muda etc e tal. A criança já consegue entender racionalmente um diálogo.

– Essa conversa vale ouro também para explicar algumas atitudes do mais novo. Não pensem que o ciúmes é unilateral… A Ana desde um ano mais ou menos tem um ciúme imenso da Manuela. Tenta tirá-la do meu colo, quer bater e empurrar. É claro que eu corrijo, mostro que não pode, mas eu tento explicar para a Manuela que vai passar e tudo mais. Agora uma criança de 1 ano e meio, 2 anos pode reagir de maneira mais agressiva e ficar com raiva do irmão.

– Você pode ser uma mãe mais tranquila em alguns aspectos, afinal já passou pelos anos iniciais (os mais trabalhosos) da vida de um filho e sobreviveu. E mais importante, ele também sobreviveu. Então, acaba tendo menos neuras comuns às mães de primeira viagem. Quando a idade é muito próxima, parece que não dá tempo de se sentir uma mãe bem-sucedida.

Enfim, é claro que isso é uma percepção muito pessoal. Ou seja, esse título (a hora certa de ter o segundo filho) foi só para te enganar, rs. Não existe diferença ideal porque depende de cada família.

De maneira geral, eu me sinto bem com a diferença de idade das meninas. A minha única ressalva é em relação às afinidades que são em sua maioria diferentes. Houve uma fase enquanto a Ana tinha a partir de 3 anos e a Manuela tinha entre 8, 9 que algumas atividades eram compartilhadas. Antes disso e depois disso, a diferença de interesses são maiores.

Hoje, Ana Júlia com 6 e Manuela com 11 têm bastante momentos juntas bem aproveitados. Eu não me arrependo da diferença mesmo!

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do Facebook

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades e dicas no seu e-mail

Quem sou

Sou Melina Pockrandt Robaina, filha de Deus, jornalista e mãe da Manuela (6 anos) e da Ana Júlia (1 ano)

Eu sou Melina, mas pode me chamar de Mel. Moro em Curitiba (PR), sou jornalista, empresária e mãe de duas meninas maravilhosas: Manuela, 11 anos, e Ana Júlia, 6 anos. Um dos meus maiores alvos é tornar a vida mais simples e leve todos os dias.

Saiba mais

Maternidade Simples 2015 - 2020 - Todos os direitos reservados